Produtoras e mulheres, sim senhor!

08 de Março, Dia Internacional da Mulher. Em outros tempos, era o dia de ganharmos rosas e sermos lembradas e agradecidas por nossa jornada dupla, tripla, infinita de cada dia. Hoje, um dia para todas as mulheres se unirem para pensar no futuro. Um futuro de igualdade de gênero, respeito e, acima de tudo, fim dos preconceitos e violência. Sobre igualdade, não há como deixar de mencionar a força das produtoras culturais em Salvador. Elas cresceram, se multiplicaram, mostrando que lugar de mulher, também, é na cultura, seja nos bastidores ou em cima do palco.

Mas, nem sempre foi assim. Durante muito tempo esse espaço de produção e bastidores de shows e eventos foi um ambiente de predominância masculina. Artistas, técnicos, músicos, empresários, sufocavam qualquer tentativa de maior destaque de uma figura feminina. Irá Carvalho, empresária e diretora da Íris Produções, que começou a sua carreira em 1984, ainda na empresa Shock Produções, conta que nunca foi fácil. Ao lado do seu ex-marido, seu sócio na época, Irá afirma que se impor no mercado era questão de talento, que ela naturalmente já carregava desde a infância. “Sempre gostei de produzir, desde a época da escola. Sempre me destaquei no lado cultural, sem saber que depois seria uma produtora”, afirma. Na época, Irá não tinha noção do preconceito que sofreu e só depois aprendeu que a dificuldade era algo real: ser uma mulher e produtora era uma tarefa para as fortes.

Em uma dessas descobertas, Irá conta que ligou para um artista de sucesso da época na tentativa de contratar o seu show. Segundo ela, ao se apresentar como produtora, o artista soltou um “quem é você, menina?” e citou uma série de nomes de empresários masculinos, os quais ele fecharia um show seu, se fosse procurado – “Ele (o artista) não me deu chance de falar mais nada, nem quis me ouvir. Eu não era famosa, nem era homem”, relembra Irá.

Ainda bem que essas mulheres foram persistentes e viraram o jogo! Se listarmos os principais nomes da produção cultural hoje, em Salvador, certamente, iremos lembrar de muitas mulheres que fizeram e ainda fazem o cenário cultural de Salvador ferver. Como diz Irá, “É uma conquista! Estamos vivendo uma nova era!”, seja na sociedade ou nos bastidores dos grandes eventos em Salvador. Que seja! Se as mulheres vão dominar o mundo? Está escrito nas estrelas!

___

Dedicamos esse texto a todas as mulheres produtoras de Salvador. Seria injusto citar nomes, pois elas são muitas (graças a Deus!). Sigamos nessa luta: de ser mulher e fazer cultura nesse país.